A força do nordeste e a implantação de novas indústrias no país.

Na contra mão do que vem sendo divulgado em alguns meios de comunicação nacionais, o polo empresarial sul de Teresina (área com capacidade para instalação de 100 empresas), esta sendo referencia quando assunto é desenvolvimento industrial.

Mesmo com grandes obstáculos o polo industrial vem conseguindo atrair empresários e grandes indústrias nacionais gerando renda, empregos e expectativas para o setor.

Para o Presidente do Sindicato dos Transportadores de Cargas e Logística do Piauí – SINDICAPI, Humberto Lopes, o polo industrial é um sonho que vem sendo realizado pela categoria, mesmo enfrentando dificuldades principalmente no que se refere a estrutura. Mas para o Presidente do SINDICAPI, essa é uma etapa que esta sendo vencida com apoio dos poderes públicos e principalmente com a garra de empreendedores que estão apostando no polo e contribuindo com o crescimento industrial e a geração de empregos no país.

“Quando começamos a investir no polo sabíamos que não seria fácil! Mas tínhamos a certeza que um dia, tudo isso aqui seria uma realidade com grandes empresas e resultados. Estamos num momento de comemoração e de atrair novos investidores”, disse Humberto Lopes.


Além do Polo empresarial Sul, existem ainda o Polo Empresarial Norte e do Distrito Industrial que são áreas destinadas a instalação de industrias na capital do Piauí.

O setor industrial é o segundo na geração de renda, produzindo 21,7% do produto interno bruto de Teresina. Ficando atrás apenas do setor de serviços que é responsável por 77,7% do PIB da cidade.

Atualmente Teresina é a cidade que detém maior tecido industrial do Piauí, com cerca de 80% empresas instaladas. De acordo com dados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cidade apresenta grande diversidade no número de indústrias instaladas. São 1.464 indústrias com 19.327 pessoas ocupadas neste setor, rendendo uma massa salarial de R$ 282.501 milhões.


São esses dados que animam investidores como Fabiel Braga, que gerencia uma das maiores transportadoras instaladas recentemente no Polo Industrial de Teresina. Com geração de centenas de empregos, a empresa apresentou em menos e um ano, um crescimento de 40%.

“Não temos dúvidas que o crescimento aqui do nosso setor vai continuar em ritmo acelerado. Quando chegamos, éramos pequenos e hoje somos uma das maiores transportadoras do nordeste. Mas sabemos que ainda existem as dificuldades por aqui. Mas acreditamos que os poderes públicos do Piauí, vão entrar nessa luta com a nossa categoria”, afirmou Braga.

A secretaria de Desenvolvimento de Teresina reconhece as dificuldades, mas afirma que todas as medidas para o desenvolvimento do setor estão sendo tomadas como por exemplo, a implantação da área de expansão que não existia. Também foi criada toda a estrutura de arruamento para recepcionar empresas que já estão instaladas na cidade. Também estão prontos projetos na área elétrica, de pavimentação asfáltica e na área de drenagem.

A prefeitura de Teresina assinou um termo de permissão de uso de imóvel público em que permite a empresa Equatorial Piauí Distribuidora a realizar trabalho de melhoria energética no Polo Empresarial Sul. O imóvel cedido tem como finalidade a construção de uma subestação de energia elétrica no local. O objetivo é a melhoria na distribuição de energia elétrica de todo o seu entorno, suprindo as necessidades reais de todas as empresas instaladas e as que podem vir a se instalar futuramente. A energia elétrica vai ser fundamental para a implementação de novos projetos. A obra será concluída no primeiro semestre de 2020. São quase 11 milhões de investimento e a Equatorial vai quintuplicar a capacidade da subestação. A novidade começa a atrair novos investidores, grande parte do Ceará.

A empresa Grande Moinho Cearense, que produz farinha de trigo, já decidiu pela implantação de uma base de sua indústria no Piauí. A empresa aposta que a base industrial gerará cerca de 400 empregos diretos e indiretos. Inicialmente seria uma indústria que atuaria apenas com o beneficiamento do trigo e empacotamento, mas foi decidido construir o moinho. Teresina fez a doação do terreno no Polo Empresarial Sul, onde a indústria será instalada. São cerca de 11.200 m², área que já possui infraestrutura adequada para a instalação da base. O serviço de terraplanagem já teve início e a previsão é de que a obra seja concluída até maio de 2020.

O Grande Moinho Cearense é uma empresa brasileira que atua no mercado de moagem de trigo em Fortaleza (CE) há mais de 50 anos. Está instalada em uma área de 12.000 m², podendo armazenar até 22.000 toneladas de grãos. A principal marca da empresa é a Farinha Dona Maria. Será uma produção de farinha de trigo local para atender toda a indústria de panificação do Piauí e Maranhão, com expectativa de expandir para outros estados.

Comente!